História de Imigração: Malásia (por ar, vindo da Tailândia)

Devido a um Acordo Internacional de Reciprocidade firmado entre Brasil e Malásia, brasileiros não precisam tirar visto de turismo antecipadamente e nem pagar nenhuma taxa para entrar em território malaio. O visto, nesse caso, é on arrival, ou seja, na chegada, e vale por 90 dias. O documento necessário é tão somente o passaporte com,… Leia mais História de Imigração: Malásia (por ar, vindo da Tailândia)

O dia em que fomos passados para trás em um dos 7-eleven de Bangkok

Para quem não conhece, 7-eleven são lojas de conveniências bem convenientes (Hahaha!) onde se encontra praticamente de tudo a preços bem competitivos. E o melhor: funcionam 24h. A Tailândia é 4º país do mundo onde a franquia mais se espalhou. O que é ótimo, pois em todas as cidades que fomos sempre tinha um bem… Leia mais O dia em que fomos passados para trás em um dos 7-eleven de Bangkok

História de Imigração: Tailândia (por ar, vindo de Mianmar)

Dia 01º de julho de 2015 deixamos Mianmar e voltamos para Bangkok, na Tailândia, para descansarmos um pouco do batidão de 15 dias em terras mianmarenses. Mais uma vez, entramos na Tailândia por ar, porém foi bem mais fácil e rápido do que nossa primeira entrada no país. Entramos na Tailândia no dia 01º de julho… Leia mais História de Imigração: Tailândia (por ar, vindo de Mianmar)

De Hanói, Vietnã para Vientiane, Laos: quando uma viagem de ônibus de 20 horas dura 30 horas

Compramos as passagens para Vientiane, capital do Laos, na Guesthouse (sem nome) em que nos hospedamos em Hanói, no Vietnã. Pagamos 1.160.000 dongs, algo em torno de 180 reais, por dois assentos/camas, em um ônibus grande, com 03 fileiras contínuas de beliches (tirando a parte de trás que são 03 assentos camas em cima e… Leia mais De Hanói, Vietnã para Vientiane, Laos: quando uma viagem de ônibus de 20 horas dura 30 horas

Receita Para Acordar Sem Despertador!

(Ou, como escrever um texto de “autoajuda” sem incluir aqueles enervantes “dez passos para a felicidade”… e por “autoajuda” digo que estou provavelmente ajudando mais a mim mesmo do que a quem lê.) (Ou, ainda, porque resolvi “chutar o balde” e mochilar mundo afora no que deveria ser o começo da minha carreira profissional pós-universidade…)